Moreno terá Academia das Cidades, Escola Técnica Estadual e uma nova indústria

Anúncio foi feito pelo governador Eduardo Campos nesta quarta (11/09), ocasião em que a cidade comemora 85 anos.

Governador Eduardo Campos

O município de Moreno foi palco de três anúncios feitos pelo governador Eduardo Campos, acompanhado do prefeito Dilsinho Gomes, durante a comemoração dos 85 anos da cidade, na manhã desta quarta-feira (11/09). O município contará com sua primeira Academia das Cidades – a ser construída no distrito de Bonança -, terá uma Escola Técnica Estadual (ETE) e vai sediar uma indústria de massas e biscoitos do grupo Gerson Lucena, ex-proprietário da indústria Vitarella.

Para que Moreno tenha um terreno para sediar a nova escola técnica, Eduardo Campos protagonizou ato histórico para a cidade: assinou decreto desapropriando 4 hectares do antigo Cotonifício Moreno, fábrica têxtil que já teve grande relevância para o município e o Estado, mas que entrou em declínio na década de 80 junto com a crise econômica que atingiu o setor têxtil no Nordeste e encerrou definitivamente suas atividades em 2001.

Para o governador Eduardo Campos, é importante Moreno participar do momento de mudanças que vive o Estado de Pernambuco e, em especial, o Complexo Portuário Industrial de Suape e a região da cidade de Goiana. “E a melhor forma de respeitar a história do Cotonifício Moreno é fazer com que ele seja usado pelo povo e construir o futuro”, disse o Eduardo Campos, destacando as oportunidades que serão geradas pela nova escola técnica.

Serão 33 cursos técnicos direcionados a 1,2 mil alunos em uma área de 12 mil metros quadrados com 12 salas de aula, seis laboratórios (informática, língua estrangeira, química, física, biologia e matemática), outros dois específicos para cursos técnicos, além de auditório, biblioteca, quadra poliesportiva coberta, refeitório, cantina e área de convivência.

Criado em 1910, o Cotonifício Moreno foi o responsável no passado pelo desenvolvimento econômico do município, que já foi uma das maiores economias de Pernambuco. De acordo com o prefeito Dilsinho Gomes, se nas décadas de 70 e 80 o Cotonifício sustentou famílias e viveu o seu apogeu, agora ele é o símbolo que marca um novo momento, com novas gerações nascendo dali. “O governador veio entregar presentes que conversam com o passado e animam o povo para o futuro”, destacou o prefeito.

Academia das Cidades - A população do município também vai ser beneficiada com a primeira Academia das Cidades de Moreno, que será construída na Avenida Agamenon Magalhães, s/nº, Loteamento Cupertino, no Distrito de Bonança. O espaço terá área aproximada de de 4.589 m², com quiosque, corredor de exercícios, playground, espaço de convivência com mesas e jogos, bicicletário e pista de cooper com cerca de 300 metros de extensão. Segundo o prefeito Dilsinho Gomes, uma nova academia poderá ser instalada no centro da cidade, no futuro, dentro da área desapropriada do Cotonifício.

Nova fábrica - Moreno, que passa a ser visto como aposta industrial, já começa a receber novas indústrias a partir do próximo ano. É o caso da GL Indústria, do Grupo Gerson Lucena, com previsão de começar a funcionar a partir de julho de 2014. O investimento no empreendimento é de R$ 168 milhões, com a geração de 400 empregos inicialmente. A GL Indústria será instalada em área própria de 34 hectares às margens da BR-232, no Km 27.

Mais indústrias - Outras indústrias estão se implantando no Distrito Industrial de Moreno.  A fábrica da EDK Mineração já está praticamente pronta. Também devem se instalar no D.I. de Moreno a Usimequi – Usinagem e Fabricação de Ferramentas e Estruturas Metálicas, Tramontina, Argamassas Solossantini e Pré-Moldados, Santini Engenharia de Fundações Especiais, LCB Premoldados e Mineradora Moreno.

Quem ficou satisfeita com os anúncios feitos pelo governador Eduardo Campos foi a dona de casa Vera Lúcia de Oliveira, de 55 anos, nascida no município. “Moreno precisava de mudanças. Nunca tivemos nem esperança, mas a partir de agora tanto meus netos como eu vamos poder viver isso”, relatou ela, cujos pais trabalharam durante 38 anos como funcionários do Cotonifício Moreno.

A técnica de enfermagem Maria Rosélia da Silva, 43, também comemora. “Moreno estava precisando. Eu caminhava na BR-232, agora vou ter a Academia das Cidades. E também vou estudar. As fábricas podem ser oportunidades de trabalho para mim”, disse.